sexta-feira, 15 de julho de 2016

Os Benefícios do Sol



Após anos de sustos com o Sol e os seus malefícios, eis que os investigadores começam a redescobrir que o Sol, afinal, faz bem!
A razão é simples -  vitamina D, a hormona que o Sol acciona na nossa pele e que é vital para os nossos ossos, cabeça e coração.

A vitamina D conjuntamente com o cálcio são essenciais para a  formação dos ossos e prevenção da osteoporose. Está também associada a várias funções extraósseas, como por exemplo na função muscular, na prevenção de cancros, como do cólon, mama e próstata, doenças cardiovasculares, esclerose múltipla, artrite reumatóide e diabetes mellitus do tipo I.

Durante anos e anos fomos levados a acreditar que o Sol era nosso inimigo, provocando a sua exposição cancro da pele. A corrida aos protectores solares subiu galopantemente nas últimas décadas, com protecção de raios UVA, UVB, factor de proteção 8, 15, 30, 50, há protectores para todos os gostos e necessidades. O que os fabricantes e a indústria farmacêutica não nos dizia é que estes mesmos filtros de protecção inibem significativamente, entre 90% a 99%, a síntese cutânea da vitamina D, contribuindo assim para a carência desta hormona, levando a uma progressiva degradação da saúde humana, em várias áreas.

Contudo, a carência global da vitamina D nos países ocidentais não se deve só aos protectores solares e às campanhas difamatórias do Sol, outros factores também estão associados: a crescente sedentarização das populações, o trabalho em ambientes fechados com pouco ou nenhum contacto com o Sol, o isolamento e o enclausuramento crescente da população idosa, a ausência de atividades ao ar livre entre outras, são os fatores preponderantes para o aumento da sua deficiência.
Um estudo levado a cabo pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, revela que entre 75% a 90% dos idosos portugueses têm níveis baixos, ou mesmo falta, de vitamina D.

A exposição excessiva ao Sol tem efeitos reconhecidamente nefastos, nos quais se inclui o cancro da pele, insolação ou desidratação, porém uma exposição responsável e moderada é benéfica. 

O que significa uma exposição responsável? 
Uma exposição responsável é composta por vários factores: estação do ano, tipo de pele, horário de exposição e tempo de exposição serão os mais importantes. 
Não nos expormos ao Sol nas horas de maior calor e radiação solar, entre as 12h - 16h, não nos expormos tanto tempo que haja vermelhidão ou queimadura da pele, ter em atenção o tom da pele, peles morenas têm maior resistência à radiação solar enquanto peles claras são mais sensíveis, nos primeiros dias de exposição aumentar gradualmente o tempo de exposição, começando com 30 min e adequar o tempo de exposição à época do ano, no Inverno a exposição poderá ser maior e no Verão menor, há ainda o factor idade, pois com a idade a pele vai reduzindo a capacidade de produção de vitamina D.

Para além desta ligação directa com a produção de vitamina D, o Sol também é benéfico para a redução do risco de depressão, pois ajuda o cérebro a produzir mais serotonina ( substância antidepressiva natural), aumenta o bem-estar e relaxamento, uma vez que o calor facilita a circulação sanguínea e o relaxamento muscular, previne o cancro do cólon, próstata e mama, pois reduz os efeitos de transformação das células e ainda melhora a qualidade de sono, devido ao aumento de produção de melatonina pelo cérebro.

Poderia haver melhor notícia em tempo de Verão?  Sol sim, mas com moderação.

Texto: Susana Pimenta